Imagem

O contemporâneo sobre o campo moderno

projeto_bienal

Tudo começa com a busca pela definição do momento histórico em que vivemos. Somos modernos ou somos contemporâneos? Charles Esche, curador da 31ª Bienal de São Paulo, vê o tempo presente como um período de transição de paradigmas. Deixamos de ser modernos, mas a contemporaneidade ainda não constituiu algo nítido. Segundo Esche, estamos in between (entre) e a bienal de 2014 propõe ser um laboratório de reflexão sobre a “temperatura dos dias de hoje”. Não segue o modelo de museu, mas de um espaço de pensamento sobre a atualidade segundo aspectos artísticos, sociais, políticos. Se o mundo está mudando e não sabemos o que vai emergir, a Bienal de “coisas que não existem” busca contribuir para compreendê-lo. A curadoria é coletiva: Esche trabalha em conjunto com outros quatro curadores, dentre os quais o arquiteto israelense Oren Sagiv. Ou seja, nesta bienal de arte paulistana, o arquiteto responsável pela expografia foi elevado ao status de curador.

_

Leia na íntegra na revista ProjetoDesign 415 (outubro 2014)
http://arcoweb.com.br/projetodesign-assinantes/interiores/oren-sagiv-expografia-31-bienal-sao-paulo

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s