Arquitetura sob tensão

Tensão é uma palavra indispensável em qualquer texto que se escreva a respeito de Frei Otto. É o substantivo usado para qualificar a força física que fundamenta seus projetos estruturais. Tensão também é, segundo o dicionário Michaelis, o “termo empregado para designar as oposições internas, manifestas ou latentes em uma realidade humana”. Essa última acepção está no subtexto da escolha do arquiteto alemão como vencedor do Pritzker em 2015.

Por trás da tragicidade, há certo simbolismo na morte de Frei Otto no ínterim entre a decisão do júri e a divulgação de seu nome para o prêmio máximo da arquitetura mundial. O Pritzker recorrentemente seleciona arquitetos cujo portfólio é notável, mas que ainda guardam uma expectativa do que está por vir nas suas carreiras. Por sua vez, Frei Otto tinha 89 anos quando foi eleito. Suas obras mais divulgadas compreendem um período entre as décadas de 50 e 70 do século passado. Ser o primeiro Pritzker anunciado post mortem explicita que o porvir de seu raciocínio arquitetônico não viria do próprio arquiteto alemão, mas cabe a outros. Ou seja, é um Pritzker categórico ao indicar uma direção para a arquitetura contemporânea.

Leia na íntegra na Bamboo 47 (maio 2015)
http://bamboonet.com.br/posts/pritzker-de-2015-frei-otto-precedeu-o-high-tech-em-meados-do-seculo-20-pela-leveza-economia-e-efemeridade

Anúncios